BGK BGK BGK

Médico e monstro dos mares!

Ariosto Ibiapina usava a própria casa para receber amigos, até que a demanda foi crescendo e virou uma pousada (Foto: Wenner Tito)

Médico e monstro dos mares: a vida do homem que trouxe o Kite ao Piauí

Ariosto Ibiapina usava a própria casa para receber amigos, até que a demanda foi crescendo e virou uma pousada (Foto: Wenner Tito)

Ariosto Ibiapina é médico, mas há dez anos se transformou em empresário, montou uma pousada e se tornou um grande incentivador do esporte no litoral piauiense.

O clássico da literatura “O médico e o monstro” conta a história do Dr. Jekyll, um médico que toma uma poção e se transforma no temido Mr. Hyde. Em Barra Grande, no entanto, a transformação do doutor não tem nada de temida, mas de radical, sim. Ariosto Ibiapina montou uma pousada “quase sem querer” no litoral piauiense e transformou o local em um point mundialmente famoso entre kistesurfistas.

Ariosto é médico em Parnaíba, principal cidade da faixa litorânea do Piauí. Há mais de 30 anos, comprou um terreno no vilarejo de Barra Grande, quando poucos moradores residiam na região. A ideia era apenas ter um local para passar fins de semana com família e amigos, mas a ideia foi, quase sem querer, se tornando um empreendimento.

Ariosto ao lado de Formiga, dono da maior escola de Kite do mundo e amigo pessoal (Foto: Wenner Tito)

O Kitesurf começou a se espalhar pelo Brasil na década de 90. Conhecendo o esporte, o médico convidava amigos para praticar o esporte em Barra Grande. Com o tempo as condições favoráveis do local foram sendo espalhadas e atraindo cada vez mais praticantes. Chegou ao ponto que o que era uma simples recepção para amigos foi virando um negócio.

- Há uns dez anos, o fluxo de pessoas aumentou, e eu comecei a cobrar uma taxa de quem vinha para cá. Aí, eu fui reinvestindo essas taxas e ampliando, construindo um chalé aqui, depois outro. Foi algo totalmente sem planejamento, até que virou uma pousada – conta Ariosto.

Arena Kite Brasil disputado em Barra Grande este ano (Foto: David Carvalho/Janjão)

O então empresário não largou a medicina e continua atendendo até hoje. Sua transformação ocorre nos dias em que ele dedica a tocar o negócio próprio. Entre resolver um problema e outro, um pulo nas aguas esverdeadas do litoral piauiense e o Ariosto kitesurfista entra em ação. Não é difícil descobrir qual trabalho dá mais prazer.

- Trabalho muito mais quando estou aqui em Barra Grande, mas me canso bem menos. Quando chego aqui, dou uma descansada, aproveito, e depois tenho fôlego pra cuidar de tudo – diz ele.

Beleza natural de Barra Grande é atrativo dos torneios de Kitesurfe (Foto: David Carvalho/Janjão)

Mesmo sendo aberta ao público em geral, as atividades da pousada estão, até hoje, relacionadas ao kitesurfe, tanto que o local sediou a etapa brasileira do Mundial de Estilo Livre, neste fim de semana. Também há uma escolinha do esporte no estabelecimento, onde os instrutores são todos nativos do povoado de Barra Grande.

- Todos os instrutores aprenderam aqui e, hoje, são instrutores ou atletas, tendo uma fonte de renda melhor do que tinham antes. Cerca de 90% da nossa mão de obra é local. É uma forma de gerar desenvolvimento por aqui mesmo – explica Ariosto.

Desenvolvimento, sim, mas não desenfreado. Não se vê restos de lixo espalhados pela areia da praia de Barra Grande. A preservação do meio ambiente, segundo Ariosto, é uma das bandeiras dos kitesurfistas. Se depender deste pensamento, o litoral piauiense ainda será um paraíso para estes esportistas por muito tempo.

- Nós queremos praias limpas. Quem pratica kitesurfe não chega nem perto de praia poluída, então, nós cuidamos. Isso estimula até a população também, que preserva para que os kitesurfistas estejam sempre voltando – finaliza Ariosto.

Fonte: globoesporte.globo.com

Certificado TripAdvisor
 

BGK

BGK

BGK